Mirena

Voltar

 
O que é?
Mirena é um sistema intrauterino de contracepção hormonal que é colocado dentro do útero. Ele tem formato de “T” para se ajustar a forma do útero, um cilindro que libera gradualmente o hormônio levonorgestrel em dose constante e muito pequena (20 microgramas em 24 horas) e dois fios na sua base para permitir checar sua posição e sua retirada.

Como funciona?
O Mirena previne a gravidez atuando na camada interna do útero, o endométrio, que não fica espessa o suficiente para permitir a gravidez, além de espessar o muco cervical dificultando a chegada do espermatozoide dentro do útero e seu movimento, impedindo a fertilização, não sendo abortivo. Possui grande eficácia com taxa de falhas de 0,2% (2 gestações por ano em cada 1000 mulheres). Seu efeito dura por 5 anos, devendo nesse período ser realizadas avaliações ginecológicas anuais com ultrassonografia e exame especular.

Excelente método para as mulheres queesquecem de tomar o medicamento por ser método que não precisa de lembrança diária. Por não conter estrogênio pode ser usado por mulheres no período da amamentação e pós-abortamento, naquelas com mais de 35 anos, hipertensas ou diabéticas e com avaliação prévia de risco até nas tabagistas. Ele não interfere no peso corporal e não é percebido pelo parceiro na relação sexual.




 
Benefícios além da contracepção: tratamento de sangramento e patologias uterinas
Esse mesmo efeito de afinar o endométrio também pode ser muito vantajoso para aquelas mulheres que não querem menstruar (para evitar TPM, cólicas menstruais ou desconforto do uso de absorventes) ou não devem menstruar (como aquelas com miomas uterinos, sangramento uterino anormal, adenomiose e endometriose). Existem estudos evidenciando seu efeito benéfico na prevenção ou progressão dessas patologias. No tratamento do sangramento menstrual excessivo, Mirena promove uma forte redução do sangramento após três a seis meses de uso, algumas mulheres chegam a ficar sem sangramento ou tem um fluxo discreto, marrom e esporádico chamado de escape ou spotting. É indicado como primeira escolha nos protocolos de tratamento de sangramento uterino anormal.
Outro benefício na pós menopausa:
O sistema intrauterino também está indicado naquelas mulheres que já passaram pela menopausa e desejam fazer reposição hormonal, evitando  o crescimento da camada menstrual do útero (a hiperplasia endometrial) quando usado o hormônio estrogênio. Pode ser associado a comprimidos, adesivos ou gel tópico.
 
Como é colocado e retirado?
Sua colocação é simples e rápida e deve ser precedida de exame ginecológico com coleta de papanicolaou/citologia oncótica e idealmente com avaliação da posição e forma do útero com a ultrassonografia pélvica transvaginal. Pode ser inserido no período de até 7 dias após o início do sangramento menstrual,  imediatamente pós-abortamento e pós parto, após 6 semanas do parto ou a qualquer momento após a menopausa. Sua inserção é realizada no consultório com anestesia local do colo, de forma segura e simplificada quando feita por ginecologista experiente ou sob anestesia quando associada a algum outro procedimento cirúrgico. Orienta-se abstinência sexual de 24 horas. Em menos de 10% pode ocorrer expulsão completa ou parcial do Mirena.

Sua remoção é simples e praticamente indolor, feita através da tração do fio ao exame ginecológico e no momento de sua retirada pode ser trocado por novo dispositivo caso se deseje manter o método. Em alguns casos quando o fio não está visível pode ser feita com segurança sob visão histeroscópica. A fertilidade é prontamente recuperada.
 
Podem haver efeitos colaterais?
Os efeitos colaterais ocorrem em 10% e os mais comuns nas usuárias do DIU hormonal são menstruação irregular ou ausência de menstruação, acne, dor nas mamas, dor de cabeça, alterações de humor.
 
Quando não usar?
As contraindicações incluem doença inflamatória pélvica atual ou recorrente (infecção dos órgãos reprodutores femininos), infecção do trato genital inferior, anormalidade do colo do útero ou do útero, incluindo miomas, se estes causarem deformação da cavidade uterina.